Pré-conceitos e Pré-valores

É comum ver alguém e imaginar que este alguém é arrogante, chato, mal encarado e após conhecê-lo ver que cometeu um engano, o mesmo ocorrendo com o cenário inverso, imaginar ser uma boa pessoa e a mesma não ser.
Isto se dá devido ao “pré-conceito” e aos “pré-valores” que habituamos em formular sobre pessoas antes mesmo de conhecê-las, baseados única e exclusivamente na analise visual.
Não são todas as pessoas que transparecem o seu ser e sua personalidade, o que ocasiona essa má formulação de valores e conceitos sobre o próximo, dificultando o relacionamento e evidenciando as diferenças entre as pessoas tanto no âmbito profissional como no âmbito pessoal.
Não é preciso “baixar a guarda” para conhecer uma pessoa da maneira que ela realmente é, podemos dar uma oportunidade de conhecer o próximo sem o julgar e sem formulação alguma, mesmo que nosso primeiro impacto nos alerte para uma repulsa ou um afastamento.
Usemos este impacto como mecanismo de atenção, mas com a mente aberta e totalmente receptivos às informações captadas para a formulação do conceito sobre alguém, assim certamente quando da formulação, estaremos mais próximos da realidade deste ser.
Os valores e conceitos mal formulados nos trazem um índice maior de injustiças cometidas e maior dificuldade nos nossos relacionamentos, estreitam os elos sociais e acentuam as diferenças comportamentais e de personalidade, reduzindo assim as nossas oportunidades de crescimento e aprendizado com a troca de informações dos relacionamentos do dia-a-dia.
Vale lembrar que entre a Razão, a Emoção, a Intuição e o Sentimento (percepção), valioso é encontrar o ponto de equilíbrio e usar todos os sentidos em conjunto, tornando-se assim uma pessoa mais centrada e assertiva.
Paradigmas são difíceis de quebrar e assim sendo, precisamos ficar atentos às nossas formulações, pois são hábitos que dificilmente identificamos, sendo mais difícil ainda de serem mudados.
Carlos Eduardo P. Gomes

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Sutileza das lições da vida

O outro lado da moeda

Suas ações comprovam?