Suas escolhas, Suas responsabilidades

Tenho tratado sempre de temas do cotidiano, de maneira amena e tranqüila, mas hoje serei um pouco mais realista e menos reflexivo, pois quero alertar para o fato da responsabilidade que temos sobre as conseqüências dos nossos atos, sim, as conseqüências também são de nossa responsabilidade.
Durante nossa jornada nos deparamos por diversas escolhas, diversas lições que nos remetem a diversos caminhos, seguimos os caminhos que mais nos convêm, decidimos pelas escolhas que mais nos convêm, porém as conseqüências sempre serão nossas responsabilidades.
Tenho observado que as pessoas hoje em dia não arcam com as conseqüências de suas escolhas, mas o pior é que julgam não ter responsabilidades sobre elas, o que torna a questão um pouco mais grave.
Pois bem, nossas escolhas são baseadas em uma série de fatores, e independente de quais sejam, devemos sempre lembrar que colhemos o que plantamos, se fazemos o bem, colhemos o bem e o mesmo acontece quando plantamos o mal, mas escrevo-lhes com a intenção de desejar apenas que reflitam melhor sobre as conseqüências das vossas escolhas, antes de fazerem-nas.
Por exemplo, um relacionamento abalado, onde uma das partes se dedica e a outra não, a parte que se dedica sofre, a outra parte também, mas aquele que não se dedica toma a decisão de solicitar um “tempo”, se sente pressionado, não esta disposto a seguir adiante, partir para o próximo estágio do relacionamento, o tempo passa e a pessoa que se dedica, é interessante, inteligente e merecedora de felicidade, conhece outras pessoas e se envolve com alguém. Neste momento, aquele que não se dedicava, decide que deve seguir adiante e levar o relacionamento ao próximo estágio, mas já é tarde demais e a sua chance já passou.
É azar ? Vingança ? Não era um sentimento verdadeiro ? Não, é simplesmente a conseqüência de uma simples escolha, pois a parte desinteressada solicitou um tempo e deu a oportunidade da outra parte conhecer uma outra pessoa a qual julgou ser uma melhor opção.
Claro que foi um mero exemplo, que muitos se identificarão, talvez até imaginem que o post foi direcionado, mas é um exemplo do cotidiano que ilustra bem o fator “conseqüência” dos atos.
Todos estamos em uma jornada de aprendizado, erros e acertos são comuns, mas aprender com a jornada é fundamental e pensar nas conseqüências muito nos ajudará se praticarmos.
Pensem nisso !
Boa semana a todos.

CaeGomes
Carlos Eduardo Pereira Gomes

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Suas ações comprovam?

Aliada ou Inimiga?

É especial o que considera especial?