Cor de burro quando foge



A expressão ou ditado popular "Cor de burro quando foge" em rigor, como tantas outras, não se sabe bem quando surgiu, mas sabe-se que é uma derivação da expressão antiga "Corro de burro quando foge" ou "Corro de burro fugido" em referência ao seu temperamento, pois o burro é um animal tranquilo, mas quando se irrita se torna agressivo e incontrolável, podendo dar um coice em alguém próximo.

Abaixo algumas fontes que confirmam a origem do termo:


No caso do termo “cor de burro quando foge”, algumas pessoas acreditam que o termo tem uma significação quase que literal. Afinal de contas, a cor parda que um burro “pega”, após correr léguas e mais léguas por uma estrada de chão, pode lembrar bem aquele tom estranho de um carro, blusa ou cabelo que vemos por aí.

Mesmo sendo plausível, essa explicação nunca foi historicamente comprovada em algum livro de época, carta ou documento formal. De fato, a explicação mais aceitável desse mistério encontra-se na antiga expressão coloquial “corro de burro quando foge”. Registrada pelo gramático Antônio de Castro Lopes (1827 - 1901), o indício leva-nos a crer que o uso equivocado da expressão original acabou dando origem à “cor de burro quando foge”.

Apesar dos termos não terem nexo algum entre si, essa não é a primeira (e talvez nem a última!) que esse tipo de transformação pelo erro acontece. Investigando a origem de outros termos, veremos que a fala não se perpetua ao longo das gerações. Assim como os comportamentos, gostos e hábitos, as expressões populares assumem feições que estão ameaçadas pelo esquecimento ou pela reinvenção de alguém que escuta um dito da forma que bem entende.


Rainer Sousa
Graduado em História
Equipe Brasil Escola


«Da cor de burro quando foge»

«[...] designa uma cor incaracterística, vagamente desagradável e insípida. A frase seria uma corrupção de um provérbio antigo que recomendava "Corra do burro quando foge", numa clara recomendação para evitar burros quando estes se enraiveciam. A corruptela do provérbio deu origem a um tipo de cor... que não existe.»

Sobre «da cor de burro quando foge» , deve observar-se que a ocorrência da palavra burro na expressão pode remeter efetivamente para uma cor. É que o sugere Vasco Botelho do Amaral, no Grande Dicionário de Dificuldades e Subtilezas do Idioma Português:

«O burro envolve problema de cor. Parece na verdade que o nome do animal veio da sua cor ruiva, porquanto em latim burrus significa ruivo, sendo asinus o asno. Surgem na loquela, às vezes, picarescas expressões de colorido irônico, qual este assim — cor de burro quando foge.»


A expressão correta é corro (verbo correr) de burro fugido [ou quando foge (pt-pt)]. Pois quando o animal foge torna-se perigoso e sem controle. Nada tem que ver com a cor do animal. Corro de burro fugido porque tenho medo da reação do animal.

A expressão "cor de burro quando foge" é uma corruptela de "corro de burro quando foge", que designa o comportamento agressivo do animal que pode dar um coice em alguém próximo.

Hoje em dia, a expressão "cor de burro quando foge" é utilizada para se designar uma cor em que não se sabe definir precisamente qual é, também é comum se referir a coloração pardacenta característica da pelagem dos burros.


CaeGomes

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Suas ações comprovam?

Aliada ou Inimiga?

É especial o que considera especial?